segunda-feira, 22 de abril de 2013

Laranja Mecânica: uma análise comportamental

Por: Bruno Alvarenga Ribeiro.

O filme Laranja Mecânica conta a história de Alex, um jovem inglês que é líder de um grupo de deliquentes que cometem todos os tipos de horrores durante as madrugadas: espancamentos, brigas com grupos rivais, assaltos, estupros e até mesmo assassinato. Numa das investidas realizada pelo grupo durante uma madrugada, os companheiros de Alex armam contra ele, pois estavam cansados de sua liderança autoritária. Como o grupo só conhece a agressão, usam-na para dar uma lição em Alex.

Num assalto realizado em um hotel fazenda, Alex acaba assassinando a proprietária do hotel. Os companheiros de gangue atinjem-no com algumas garrafas de leite na cabeça, deixando-o inconsciente e transformando-o em um alvo fácil para a polícia que já havia sido acionada. Por ironia do destino a violência de Alex acaba se voltando contra ele, pois os liderados se rebelam e o destituem do poder usando os mesmos métodos coercitivos. Enfim, coerção gera coerção, e o filme Laranja Mecânica é muito claro neste sentido, pois elucida de maneira bastante óbvia os efeitos colaterais gerados pela utilização de controle coercitivo.

Tais efeitos se fazem evidente no tratamento que Alex é submetido depois que é levado para a prisão. Tendo recebido uma pena de 14 anos de reclusão em um instituto prisional que usa a coerção para manter sob controle os detentos, Alex enxerga num tratamento revolucionário a possibilidade de encurtar o cumprimento de sua pena. Trata-se de um tratamento que ilustra com bastante clareza o paradigma do condicionamento respondente, ao mesmo tempo que cria a oportunidade para que possamos discutir a eficácia da punição como meio para a modificação de comportamentos.

Por possuir um perfil bastante agressivo Alex é escolhido para ser submetido ao tratamento, sendo, então, transferido para uma clínica em que é colocado sob os cuidados de uma equipe médica. O tratamento consiste em assistir filmes com cenas explícitas de violência enquanto um medicamento que provoca uma terrível sensação de náusea é administrado. Veja o esquema abaixo:

Veja a semelhança com o experimento realizado por Pavlov no estudo do condicionamento respondente:
No experimento de Pavlov o estímulo incondicionado, ou seja, o estímulo que provoca a resposta reflexa de salivação, uma resposta que ocorre sem a necessidade de aprendizagem, é a comida. No experimento realizado com Alex o medicamento cumpre a função de estímulo incondicionado. Após a associação temporal entre o alimento e a campainha no arranjo experimental construído por Pavlov, o som passou a adquirir a função de estímulo condicionado, provocando, desta forma,  a resposta de salivação quando apresentado. Já na experiência ao qual Alex foi submetido, as cenas de violência exibidas nos filmes que ele foi obrigado a assistir, adquiriram a função de provocarem a resposta reflexa de náusea, ou seja, adquiriram a função de estímulos condicionados. Para maiores detalhes sobre o condicionamento respondente, é interessante ler outro artigo deste blog intitulado: "O condicionamento respondente: definição e aplicações."

Era esperado com a realização do tratamento que Alex se sentisse mal todas as vezes que se engajasse em um comportamento violento. E de fato isso aconteceu. Depois de sair da prisão Alex se sente mal em inúmeras oportunidades em que tem a chance de se engajar em comportamento violento ou quando presencia alguma cena de violência. As fortes sensações de náusea sentidas por Alex o incapacitavam de cometer atos de violência. Enquanto estava ocupado sentindo náuseas ele não podia se engajar em comportamentos violentos. Trata-se aqui de incompatibilidades entre comportamentos do mesmo repertório comportamental, e venciam aqueles comportamentos que tinham maior força. No caso de Alex, venciam as náuseas, e para se esquivar de senti-las era necessário não cometer nenhuma violência.

Na história de Alex também é possível ver operar o reforçamento negativo. Engajar-se em atos de evitação da violência permitia que as punições fossem evitadas. As respostas reflexas sentidas como náuseas eram ao mesmo tempo um exemplo de comportamento respondente eliciado por cenas de violência, como eram também a consequência de comportamentos que tinham como objetivo a prática de ações violentas. As náuseas puniam os comportamentos de cometer violência, impedindo-os de acontecerem enquanto o estímulo aversivo "enjoos" estivesse operando. Em última instância, o corpo e os comportamentos de Alex eram suas fontes de punição. Ele não podia fugir de si mesmo, então, o melhor seria esquivar-se da violência. O esquema abaixo sintetiza a análise dos operantes de Alex:


Mas como era de se esperar o tratamento teve alcance limitado, pois logo as respostas reflexas de náusea foram se extinguindo, e as cenas de violência que sinalizavam a possibilidade de punição acabam perdendo esta função de sinalização, ou seja, perdem a função de serem estímlos discriminativos que sinalizam a ocorrência de punições. Se tais cenas perdem a função de estímulos condicionados no eliciamento das respostas reflexas de náusea, os comportamentos de violência têm a chance de ocorrerem sem serem punidos, pois também perdem a função de eliciarem as sensações de desconforto que atuavam como punição. Esta é uma questão clássica, ou seja, estímulos aversivos condicionados vez ou outra precisam ser pareados com o estímulo punidor incondicionado, caso contrário perdem a função de punidores ou de sinalizadores de punição.

No caso de Alex, seus comportamentos de cometer violência eram ao mesmo tempo estímulos condicionados para as respostas reflexas de náusea, sinalizadores de ocorrência da punição (náusea) e também eram punidores e geradores da punição que era sentida com o grande desconforto que acompanhava as crises de náusea. Quando é desfeito o condicionamento respondente, ou seja, quando as cenas de violência e os comportamentos de se engajar em violência perdem a função de eliciarem as respostas reflexas de náusea, os comportamentos violentos perdem também a função de punidores e sinalizadores de punição, ao mesmo tempo em que cometer violência deixa de ser punido pela ocorrência dos desconfortos. Neste sentido, o filme evidencia duas coisas muito importantes: 1) Um programa de modificação de comportamentos não deve se limitar à ocorrência dos comportamentos respondentes e nem deve 2) fazer uso de punição. A punição tem efeitos colaterais nocivos, e a sua eficácia em suprimir comportamentos dura enquanto o estímulo aversivo estiver presente. Além do mais, os estímulos aversivos condicionados precisam ser pareados habitualmente com estímulos aversivos incondicionados para não perderem a função de punidores.

Um pai que ameaça o filho com uma chinela nas mãos, vez ou outra precisa dar uma chinelada para que a chinela continue funcionando como estímulo sinalizador de punição ou ainda como estímulo punidor. Mas este mesmo pai ao usar de punição está sujeito aos efeitos colaterais que ela gera: contracontrole, ansiedade, medo, submissão etc. No caso de Alex, para que as náuseas continuassem funcionando como punição para os comportamentos de se engajar em violência, as cenas de violência teriam que ser pareadas ocasionalmente com a medicação, ou seja, ele teria que ser submetido de vez em quando a novas sessões do tratamento. Mas os efeitos do tratamento foram terríveis, pois transformaram Alex em um sujeito submisso e temeroso dos desconfortos que podiam ser sentidos a qualquer instante.

Melhor seria se Alex tivesse a oportunidade de acessar fontes de reforçamento positivo todas as vezes em que se engajasse em comportamentos mais funcionais. Aí estaríamos falando de um programa de modificação de comportamentos que também contemplaria a análise funcional dos operantes de cometer violência, ou seja, que contemplaria a função exercida por tais comportamentos, um programa que fosse capaz de analisar as variáveis responsáveis pela manutenção dos comportamentos violentos, e que não se limitasse somente a aplicação de técnicas de condicionamento respondente, que acima de tudo foram altamente intrusivas e tiveram resultados questionáveis, pois fizeram utilização de controle coercitivo. 

Se o filme ilustra bem o paradigma do condicionamento respondente e os efeitos nocivos da utilização do
controle aversivo, ele não serve para ilustrar a proposta da Análise do Comportamento e de sua filosofia, o Behaviorismo Radical. A Análise do Comportamento não defende o uso do controle aversivo, pois este tipo de controle tem consequências bastante nocivas. A respeito do controle comportamental, é sugerido o seguinte texto: "Controle Comportamental: algumas considerações". A Análise do Comportamento estuda o controle aversivo como forma de demonstrar as consequências que ele produz, e como forma de demonstrar que há outras alternativas muito mais viáveis. Um bom programa de modificação de comportamentos envolve a análise funcional dos comportamentos que se quer modificar e não somente a aplicação de técnicas para modificações comportamentais. Para aprofundar nesta questão, aconselho a leitura do seguinte texto deste blog: "Por que a Terapia Comportamental é Comportamental?".

Voltemos ao filme. Como no experimento de Pavlov em que o som perdeu a função de eliciar a resposta reflexa de salivação ao ser apresentado sozinho, ou seja, ao ser apresentado sem que fosse pareado com a alimentação, as cenas de violência deixaram de eliciar as respostas reflexas de náusea quando o pareamento entre elas e a medicação foi rompido. Ocorreu, então, uma extinção das respostas reflexas condicionadas de náusea. Este pareamento foi rompido quando Alex foi submetido a diversas ocasiões de violência ao sair da prisão. Quando, por exemplo, os antigos amigos de gangue que se tornaram policiais o agrediram, ou quando foi obrigado a ouvir a nona sinfonia de Beethoven na casa do escritor que ele agredira no início do filme. A nona sinfonia de Beethoven também adquirira a função de estímulo condicionado quando no experimento foi tocada como a música de fundo enquanto Alex assistia às cenas de violência.

Não suportando os efeitos provocados pela nona sinfonia de Beethoven, Alex se joga do terraço do quarto em que se encontrava. Depois disso vai parar num hospital todo quebrado. Enquanto jazia em uma cama de hospital, um médico e uma enfermeira tinham relações sexuais em uma cama ao lado. Em todas estas situações Alex vai sendo exposto a cenas de violência sem que elas fossem pareadas com o estímulo incondicionado. Por isso perdem sua função de eliciarem as respostas reflexas de náusea. O filme termina com Alex imaginando uma cena de sexo selvagem, o que demonstra que se engajar em atos de violência não mais funciona como estímulo condicionado para eliciar respostas reflexas de náusea e também como fonte geradora de punição.

Portanto, o tratamento ao qual Alex foi submetido revelou-se um fracasso total. Também pudera, pois além de coercitivo foi desprovido da realização de qualquer análise funcional dos comportamentos de se engajar em violência. Sem uma uma boa análise funcional qualquer procedimento utilizado para modificar quaisquer comportamentos tem uma grande chance de ser ineficaz.

Gostou do texto? Não deixe de postar seus comentários nos campos apropriados para este fim.

Outros artigos semelhantes a este? Abaixo você encontra outras indicações de leituras do Café com Ciência, não deixe de conferir.


36 comentários:

  1. Esse filme é extremamente denso, mas sua análise foi espetacular.
    Não sou adepta do uso da coerção para evitar comportamentos inadequados.
    Como você mencionou, existem formas melhores e mais eficazes para mudar um comportamento inapropriado.
    Abraços:
    Sil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo Silvana, pois este filme é realmente muito denso. Mas ao mesmo tempo ele é muito fascinante, pois demonstra com clareza os efeitos gerados pelo uso de controle coercitivo, sobretudo, aponta para o fato de que coerção gera coerção, vide, por exemplo, a traição sofrida por Alex por meio de seus companheiros de algazarra.

      Fico feliz que tenha gostado da análise proposta.

      Abraços!

      Excluir
  2. Sempre ouço falar desse filme mas nunca assisti. Logo teu artigo me chamou a atenção por isso, aproveitei para entender um pouco do foco desse tão famoso filme. Achei interessantíssima tua análise e comparação com outros estudos. Teu blog é muito bom, tem conteúdo e originalidade.

    Já te incluí nos Top Blogs e também estás entre meus blogs amigos.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, o filme vale muito a pena ser visto. Lógico, que como uma crítica aos poderes totalitários, ele apresenta um conteúdo muito denso e cenas bastante chocantes. No entanto, ajuda-nos a pensar as consequências da utilização de controle coercitivo em nossas relações. Fico feliz que vc esteja gostando do meu blog. Continuarei me esforçando para que ele agrade a leitores interessados como vc!

      Abraços.

      Excluir
  3. Oi,Bruno!
    Já assisti a esse filme e é ótimo!

    Cheguei aqui pela divulgação de seu blog no da Nanda,minha amiga.

    Adorei o que vi!

    O meu já está lá para ser divulgado tb.


    Beijos e linda semana


    Donetzka

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Donetzka pela visita e participação. Volte sempre! De fato o filme é bastante interessante, e fornece subsídios para refletirmos sobre muitas coisas referentes ao nosso existir. Ele vale a pena ser visto e revisto.

      Abraços!

      Excluir
  4. Participei da entrevista Fala Multiplicador ficaria muito feliz se desse uma passadinha no meu blog Educar - O primeiro passo e deixasse um comentário.
    Bju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok Toninha, obrigado pela participação.

      Abraços.

      Excluir
  5. Olá, vim conhecer seu blog e achei seus artigos muito esclarecedores, úteis e importantes para os leitores da blogosfera. Também faço parte da família Educadores Multiplicadores, portanto, gostaria de contar com sua presença no meu cantinho: se gostar; seguindo-me. Também gostaria de fazer parceria, isto se desejar, ou seja, divulgarei o seu blog, e da mesma forma o prezado Educador Multiplicador, divulga o meu.
    A divulgação é importante para que os nossos blogs sejam visualizados
    por um número maior de leitores.
    Conto contigo, nessa missão.

    Fique na Paz!
    Em Cristo,
    ***Lucy**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Lucy pela visita e participação. O blog está à sua disposição. Volte sempre!

      Abraços.

      Excluir
  6. Ja ouvi falar no filme, mas nunca assisti. Muito interessante sua postagem, eu ja tinha estudado um pouco sobre esse tipo de tratamento. Vi sobre isso em um hospital psiquiátrico de outras décadas onde para tratar uma homosexual tentaram fazer essa aversão. Enfim, não funcionou..
    Obrigada por sua visita ao meu blog, desculpa a demora da resposta, meu computador havia quebrado. Ja estou te seguindo e ja pegue seu banner, está na página 'divulgação'.
    Ótima semana, abraços.
    Coruja Essência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Lane pela participação. Esse é um filme que vale a pena assistir, pois trabalha muitos aspectos interessantes a respeito do comportamento humano. Quando der tire um tempinho para assisti-lo. Fico feliz que tenha gostado da postagem.

      Abraços.

      Excluir
  7. Olá seu blog é muito legal e ja estou seguindo,segue o meu também

    http://femmemakiup.blogspot.com.br/

    Beijinnn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita Sabrina. Volte sempre!

      Abraços.

      Excluir
  8. Vi esse filme no 3° semestre como uma crítica ao behaviorismo, mas foi muito boa sua análise sobre ele.

    Seu blog está de parabéns, muito esclarecedor para nós os estudantes de psicologia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente este filme é usado para criticar o Behaviorismo, o que é um grande erro. Ele apenas ilustra a operação que envolve o condicionamento respondente e os efeitos colaterais gerados pelo uso de controle coercitivo, e o behaviorismo não advoga a utilização deste tipo de controle.

      Obrigado pela sua participação Fernanda!

      Abraços.

      Excluir
  9. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom,
    li algumas coisas folhe-ei algumas postagens,
    gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha.
    Deixo-lhe a minha bênção.
    E que haja muita felicidade e saúde em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Antonio pela visita e participação. É muito bom saber que você gostou do blog. Volte sempre, sua visita será sempre bem-vinda!

      Abraços.

      Excluir
  10. Bruno, eu adicionei o banner do Café com Ciência no blog História com Quadrinhos... te convido a atualizar meu banner, já que não utilizarei mais o Coisas de uma Blogueira. Coloquei uma pequena descrição do teu blog na postagem Jornal do Blog História com Quadrinhos #4. Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Texto maravilhoso , explicação e análise perfeita. Gostei !

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristina, em primeiro lugar você precisa situar a qual Behaviorismo você está se referindo, pois talvez não saiba, mas não existe apenas um. Se for ao de Skinner, conhecido como Behaviorismo Radical, a crítica do filme Laranja Mecânica, além de superficial é teoricamente imprecisa. Primeiro mito a ser desfeito diz respeito ao conceito de condicionamento. Condicionamento não é algo feito a revelia do sujeito para imputar-lhe sofrimento. Condicionamento é um termo para se referir a um processo que traduz a relação entre eventos comportamentais e eventos ambientais. Então a mente nem entra nesta definição, pois é desnecessária e não passa de invencionismo conceitual. Feita para explicar, é ela que quem clama por explicação e por isso o Behaviorismo Radical a rejeita como causalidade. Outra imprecisão é considerar que o condicionamento retira o poder de escolha. Escolha é comportamento, e como qualquer comportamento está sujeita aos determinantes que fazem parte da relação que se estabelece entre eventos comportamentais e eventos ambientais. Outra questão é que a diferenciação entre comportamento e essência reproduz o dualismo das psicologias mentalistas, que é circular e inócuo. A mudança no comportamento é em última instância a mudança do ser, pois o ser não é uma entidade, algo apartado do sujeito que se comporta. Ele é o próprio sujeito que se comporta com seus repertórios comportamentais e as contingências que fazem a manutenção desses repertórios. Em Alex a mudança não foi efetiva em função dos motivos elencados no texto e que não elencarei novamente nesta resposta. Releia o texto para identificá-los e compreendê-los. Quanto ao ato de refletir, ele é comportamento como qualquer outro, com a diferença de ser comportamento verbal, que amplia o controle do comportamento pelo ambiente. Por último, o Behaviorismo Radical não utiliza a obra Laranja Mecânica para justificar o uso de controle coercitivo e o texto deixa isso bem claro. Talvez a releitura atenta do mesmo ajude a compreender com maior exatidão essa questão, como, também, todas as outras apontadas por você.

      Excluir
  13. Você leu algo sobre o filme antes de escrever seu texto? Kubrick deixou bem claro mais de uma vez que o filme é na verdade uma crítica ao behaviorismo, e não uma maneira de mostrar como é a maneira certa de fazer o behaviorismo, como deu a entender seu texto.
    Kubrick acreditava que a técnica (seja por estímulos positivos ou negativos) poderia ser usada por governo totalitários, como uma maneira de controle da população .
    A cena em que o padre intervém pra falar sobre a falta de ética colocada por trás do experimento mostra bem isso. A partir do momento que Alex passa a não ter escolha a não ser fazer o bem, ele perde o seu livre-arbítrio, uma das características que nos torna humanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei qual é a intenção do Kubrick, mas o texto serve de crítica à crítica. Será que você não se atentou para isso? Se o livre-arbítrio é o único argumento para se opor ao Behaviorismo Radical, recomendo uma leitura mais cuidadosa da obra de Skinner. Escolha é comportamento, e não existe comportamento que não seja determinado. Nas suas escolhas "mais livres" seus comportamentos estão sob os efeitos de contingências de reforçamento.

      Excluir
  14. Olá,eu estou cursando psicologia e estou fazendo uma análise behaviorista desse filme,e achei muito interessante suas colocações, isso irá me ajudar bastante na minha atividade
    Gostaria de saber se você tem a análise do filme "Precisamos falar sobre Kevim? Iria me ajudar muito pois gostei de suas colocações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzane, obrigado pela contribuição. Não tenho pronta a análise do filme "Precisamos falar sobre Kevim". Tem muito tempo que vi o filme. Precisava revê-lo para poder analisá-lo.

      Excluir
    2. Poderia anotar meu e-mail?
      Gostaria de me manter em contato caso se eu precisar de sua ajuda

      Excluir
    3. Posso sim. É só você me enviar o endereço.

      Excluir
  15. ALGUEM ME PODE AUDAR??
    Era para um trabalho.

    1. A “solução” (método) para o problema visado parece-lhe eticamente correta? Justifique.

    2. O método e/ou tratamento funcionaram? Justifique.

    3. Explique em que consiste o método/ tratamento “Ludovico” a que Alex é sujeito, à luz dos processos de condicionamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todas as respostas estão no texto. Releia com atenção.

      Excluir
    2. Oii gostaria de saber qual o método de condicionamento usado no filme, q qual as consequências desse método ao aplicar num ser humano real? Obrigada por responder pois não consegui achar a resposta

      Excluir
    3. Releia o texto com atenção. Ele deixa muito claro que se trata de condicionamento reflexo (Pavloviano). O texto também deixa claro os efeitos nocivos da utilização de controle coercitivo, o que esclarece sua dúvida sobre as implicações resultantes de sua aplicação ao comportamento humano.

      Excluir

Obrigado por participar!